Confira o Relato do parto Humanizado de Priscila – US Doula

Confira o Relato do parto Humanizado de Priscila

Published by admin on

Relato de parto Priscila

Posso dizer com toda sinceridade que tive uma gestação bem tranquila. Não tive nada que me colocasse como risco, tive um marido e família extremamente apoiadores e atenciosos. Quanto ao marido, posso dizer que estávamos grávidos juntos, mas eu tinha uma ansiedade fora do comum! Quando encontrei a Natália, eu estava bem perdida e aflita porque, apesar de ter toda rede de apoio, ainda não tinha encontrado uma equipe que compartilhasse do meu desejo: NÃO SER ENGANADA! Até que na primeira roda de conversa que fui, tudo se alinhou: consegui toda a informação necessária e indicação de profissionais que respeitariam minha vontade. Não consigo nem palavras para expressar minha sensação ao sair daquele encontro! Enfim as coisas começaram a fluir! Fui em todas as rodas que foi possível, meditei quase todo dia (não vou negar que dormi em algumas delas, rs), me informei e procurei saber de tudo que ia acontecer comigo (acho que assisti à aula de fisiologia umas 4 vezes e ainda fiz uma burrinha para ter comigo para ficar repassando sempre que necessário).

Até que a 37º semana chegou e com ela o começo dos pródromos que se seguiram por quase 3 semanas. Eu quase surtei: não pela dor, ou por medo, mas por ansiedade de que o parto acontecesse logo. Tentava colocar na minha cabeça o que as afirmações da meditação falava: “meu bebê sabe a hora certa de nascer” e enquanto isso continuava a me informar sobre qualquer possível argumento que talvez usassem pra uma cesárea ou indução desnecessária. Meu tampão começou a sair com 38 semanas, saiu o restante apenas um dia antes do parto, que ocorreu com 40+3. No dia anterior, eu comecei a sentir contrações mais fortes, porém sem ritmo. Na madrugada do dia 28, à 1h:00 da manhã, comecei a sentir de dez em dez minutos. Olhei minha burrinha e vi que ainda era a fase latente, então fiquei tranquila e entre uma contração e outra eu dormia… Consegui dormir até às 6h:00 da manhã, quando as contrações estavam entre seis e cinco minutos de espaço, porém como estavam com mais de um minuto de duração. Liguei pra Natália e a ela me mandou tomar banho quente o máximo que aguentasse, o que era uma faca de dois gumes, porque ao mesmo tempo que relaxava parecia que fazia com que elas viessem mais intensas. Mesmo assim mantive mais afirmações na minha cabeça: “cada contração é como uma onda que traz meu bebê pra mais próximo de mim”, “meu corpo sabe parir”, “estou preparada para ter um parto suave e gentil”. Isso fez com que eu não me desesperasse nos intervalos e pude até hidratar meu cabelo no meio do banho! Fiquei no banho até às 7h:00 da manhã, tentei tomar café da manhã, mas veio uma contração que me fez vomitar. As contrações só aumentando em intensidade e frequência, e parecia que não tinha posição no mundo que me confortasse. Eu acho que a Natália, Karina e Celma chegaram por volta de 8h:30, mas dai as contrações ficando mais fortes. Nathy me massageando de um lado, marido confortando do outro e logo me deu vontade de fazer força. Por volta de 09h:20, começaram os movimentos, PARTIU MATERNIDADE! Pensei, de verdade, que fosse ter o bebê no carro, mas como já estava na famosa partolândia, as únicas lembranças que tenho é da Karina maravilhosa falando “relaxa! Manda oxigênio pro seu bebê”, dai eu respirava e aguentava a vontade de fazer força. Chegando na maternidade, me ofereceram analgesia, só que como ainda não tinha feito toque e tinha medo de não ter dilatado nada, não aceitei, pois sabia como podia atrasar o trabalho de parto. Fizemos o toque e dilatação total! Nessa hora, a bolsa rompeu e foi aquele auê… Descemos pra sala de parto e eu fiquei com medo do expulsivo (nem me toquei que já estava nele tinha um tempo). Pedi analgesia e a médica disse: Não dá tempo, sente aqui a cabeça do seu bebê! Não me lembro quantos puxos foram, só sei que dei entrada na maternidade às 10h:07 e às 10h:52 meu bebê nasceu! Veio direto para o meu braço! Papai cortou o cordão após parar de pulsar e passamos toda a primeira hora juntinhos, com todo respeito à golden hour. Tive laceração de primeiro grau, baby com apgar 9/10, com plantonista porque não deu tempo do meu médico chegar; mas tudo bem, pois o parto era meu e do meu bebê e nós sabíamos exatamente o que fazer! Só posso dizer que nunca imaginei que teria um parto tão perfeito assim! Só gratidão!

Se interessou pelo assunto?

Se profissionalize e/ou tenha o acompanhamento de uma doula


0 Comments

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Translate »